Tire ja sua carteirinha de descontos UESA e UEA e disponha deste imenso universo de vantagens

Sede Estadual da UESA / UEA:  Av. Epaminondas n.º 694-E – Centro - Manaus - AM - CEP: 69.010-090

(Próx. à Pça. da Saudade) Fones:  3082-0881 / 3633-8721

 

Histórico da UEA

Veja a lista de lojas que oferem descontos para quem possui a carteira da UESA & UEA

Menu UESA

Histórico
Informes
Contas
Serviços
Documentos
Diretoria
---GRÊMIOS---

Menu UEA

Histórico
Informes
Contas
Serviços
Documentos
Diretoria
---CAS & DCES---
 

 

 

Anos de lutas pelos direitos dos Estudantes

 

         A UNIÃO DOS ESTUDANTES DO AMAZONAS (UEA) foi fundada em 4 de janeiro de 1942, pelos então estudantes João Martins da Silva (primeiro presidente da UEA), Samuel Benchimol (secretário Geral), Plínio Coêlho, José Lindoso, Antônio Lindoso, Áureo Mello, Agnello Uchôa Bittencourt e Aderson de Menezes, entre outros.  Em 2 de maio do mesmo ano, foi considerada de Utilidade Pública pelo Decreto-Lei n.º 798, do Interventor Federal no exercício do Governo do Estado, Dr. Álvaro Botelho Maia.

            Em 1942, nos passos da União Nacional dos Estudantes (UNE), a qual era filiada, lutou pela participação do Brasil na 2.º Guerra Mundial ao lado dos aliados e contra o nazi-facismo.  Também pela criação da Escola de Agronomia e Veterinária no Amazonas.

           Em 1945, lutou pela volta da democracia e pelo fim do Estado Novo, ditadura do então presidente Getúlio Vargas.  Conquistou ainda neste mesmo ano, a Meia Entrada nos cinemas para estudantes.

            Em 1947, deu início no Amazonas, da campanha "O petróleo é nosso" pelo monopólio estatal do petróleo brasileiro, surgindo como resultado em 1953, a criação da Petrobrás, empresa estatal responsável pela exploração do petróleo.  Ainda neste mesmo ano lutou contra a internacionalização da Amazônia, quando o então presidente da República, Eurico Gaspar Dutra, tentou entregar o desbravamento da região a grupos estrangeiros.  Também foi no dia 6 de dezembro de 1947, que através da Lei n.º 115, o então governador Leopoldo Amorim da Silva Neves doou à UEA um prédio situado na Rua Barroso n.º 267, para abrigar a Sede Própria da entidade, cujo edifício foi denominado de "Casa do Estudante do Amazonas", uma conquista do presidente da UEA, Antônio Lindoso e do seu sucessor Armando Andrade de Menezes, no local eram desenvolvidos serviços como assistência social aos estudantes pobres, biblioteca, teatro, cursos preparatórios, entre outras atividades.

            Em 1949, o presidente da UEA, Armando Andrade de Menezes, deu início a uma campanha contra o fechamento da Faculdade de Direito do Amazonas, então única escola superior no Estado que havia sido federalizada e estava em péssimas condições de funcionamento.  Também coordenou em 1950, a reforma estatutária da UEA.

            Em 1951-52, na gestão do presidente da UEA, Phillipe Daou, é inaugurado o Restaurante do Estudante, obra de cunho assistêncial, que funcionava no prédio da Sede Própria da UEA.

            Em 1952, é criada a União dos Estudantes Secundários do Amazonas (UESA), congregando os estudantes de nível secundário no Estado.

            Em 1954-55, na gestão do presidente da UEA, Raimundo Parente, foi doado pelo comendador Agesilau Araújo à entidade um terreno ao lado de sua Sede Própria na Rua Barroso, para construção do "Dormitório do Estudante".

            Em 1956, a UEA já composta exclusivamente por universitários, lidera um movimento contra a carestia no Amazonas, protestando contra o aumento da tarifa nos bondes, pedindo a redução no preço das passagens, e até o passe livre, assim como também lutava contra o monopólio da empresa inglesa "Manaus Tramwais", o que resultou na cassação da licença de concessão da mesma, passando o serviço de bondes a ser administrado pelo Governo do Estado, na administração do governador Plínio Coêlho, destacando-se nessas os então presidentes da UEA, Adherbal Andrade de Menezes e Aguinelo Balbi.

            Em 1959-60, na gestão do presidente da UEA, Rui Dantas, é impulsionado o projeto de construção do Dormitório, com a aprovação de verbas, a obra é iniciada.

            Em 15 de janeiro de 1961, na gestão do presidente Francisco Marques de Vasconcelos, é realizado pela primeira vez em Manaus, o Conselho Nacional de Estudantes, da União Nacional dos Estudantes (UNE), sob os auspícios da UEA, na Faculdade de Direito do Amazonas.

            Em 1962-63, na gestão do presidente, José Renato Frota Uchoa, a entidade inicia uma luta pela melhoria do ensino superior no Amazonas, assim como pela instalação da Universidade do Amazonas.

            Em 1964, a UEA foi às ruas manifestar seu apoio às reformas de base, do presidente da República, João Goulart, nesse período destacando a frente da entidade estudantes como o acadêmico da Faculdade de Direito, Amazonino Mendes, um dos principais oradores.

            Em 31 de março de 1964, é desencadeado o golpe que depôs o presidente João Goulart, iniciando assim o longo período de ditadura militar, neste mesmo dia no Rio de Janeiro, a Sede da UNE é incendiada por populares direitistas.  A UEA protesta no Amazonas contra a repressão, mas também é atingida quando em maio do mesmo ano assume a presidente da entidade, Luiz Augusto Santa Cruz Machado, de tendências conservadoras.  Em maio do mesmo ano a UNE é extinta por lei.

            Em 1964-65, na gestão do presidente da UEA, Luiz Augusto Santa Cruz Machado, em 9 de novembro de 1964, através da Lei Federal n.º 4.464, (Lei Suplicy), as entidades estudantis perdem sua autonômia administrativa.

            Em 1966, na gestão do presidente Marcondes Fonseca Luniére, o estatuto da UEA é reformado, e também é concluído o "Dormitório do Estudante", inaugurado em janeiro de 1967.  Ainda neste ano a UEA é proibida de funcionar pelo Regime Autoritário, sendo a sua Sede Própria fechada e posteriormente demolida.  Assim como o Dormitório que foi entregue à Universidade do Amazonas, que o denominou de "Casa do Estudante Universitário".

            No final dos anos 70 com o movimento pela Anistia (perdão pelos crimes políticos), o movimento estudantil passou a ressurgir, especialmente com o Congresso de Reconstrução da UNE, realizado em Salvador ainda em 1979.

            Somente em agosto e setembro de 1992, após diversas reuniões de grupos de estudantes, foi deliberado a constituição de uma Comissão de Reconstrução da UEA, composta de estudantes secundaristas e universitários.

            Em Manaus, somente em 20 de novembro de 1992, é realizada pela Comissão de Reconstrução da UEA, na Casa da Trabalhador, uma Assembléia Geral, reunindo estudantes de todos os níveis de ensino, quando foi aprovada a reativação da UEA, sendo aprovada a proposta de reforma do estatuto e também mantida a Comissão de Reconstrução da UEA:  Mário Lúcio da Silva - presidente; Luiz Evaldo Vianna - 1.º vice-presidente;  Andreia Castro Ribeiro - 2.º vice-presidente.

            Ainda em novembro e dezembro de 1992, iniciamos o processo de reestruturação da entidade, legalizando todos os documento referente a mesma, e providenciando uma Sede Provisória na Rua Comendador Clementino;  também foi editado o primeiro número do jornal da UEA "Folha Estudantil".

            Em 1993, em maio a entidade participa de uma manifestação convocada pela UNE;  em junho tem se integra ao Comitê Regional da Ação da Cidadania contra a Fome e a Miséria; em setembro lança a Carteira de Estudante da UEA; em outubro conquista a Meia Entrada nos cinemas para estudantes mediante a apresentação da carteirinha da UEA; em novembro consegue uma doação de mobiliário para sua Sede.

            Em 1994, a UEA inicia a publicação de uma coluna de sua responsabilidade denominada "Manifesto Estudantil" no jornal Diário do Amazonas; apresenta as suas propostas aos candidatos ao Governo do Estado; instala sua Sede Central num prédio situado à Av. Eduardo Ribeiro; realiza o Festival Estudantil de Cultura.

            Em 1995, houve a realização II Festival Estudantil de Cultura.

            Foram realizadas ainda diversas atividades pela UEA, como a reformulação do Estatuto da entidade; retomada de posse do terreno de sua antiga Sede na Rua Barroso; participação no Fórum do Orçamento, aprovando várias emendas; fiscalização do cumprimento da Lei da Meia Entrada nos Cinemas, Teatros, Espetáculos Culturais e Desportivos, aprovada em dezembro de 1996, além do imprescindível apoio na reorganização da entidade secundarista estadual, a UESA.

            Em 1997, apoia a reativação da Federação Amazonense Universitária de Desportos (FAUD), realiza o Dia Nacional de Luta dos Estudantes e se integra ao Fórum pela Ética na Política.

           Em 1999, inaugura sua nova Sede na Av. Epaminondas, bem como instala o seu Departamento de Cursos promovendo pré-vestibular, idiomas, entre outros cursos, contratando universitários como instrutores.

            Em 2000, luta pela aprovação de uma nova Lei que garantiu a partir de 2001 a meia entrada em todos os shows artísticos e casas noturnas de Manaus.  Também foi por iniciativa do presidente Mário Lúcio, criado o DCE-OBJETIVO.

            Em março de 2001, foi aprovado o novo Estatuto da UEA e em 7 de abril de 2001, a UEA realiza no Auditório do Taj Mahal Hotel, o XXVII Congresso Estadual dos Estudantes Universitários (CEEU), com participação de Delegados de todas as instituições de educação superior no Amazonas, no qual foi aclamada a nova diretoria da entidade, mantendo como presidente: Mário Lúcio da Silva (Direito/Objetivo) e como vice, Francinete Tavares (Física/UFAM), essa gestão teve mandato até abril de 2004.

           Ainda em 2001, foi criado o DCE-ESBAM, e em 2002 foi realizada uma exposição comemorativa da UEA, bem como foi criado o Fórum da Meia Passagem, e a instalação de posto de passes estudantis e de meia entrada na Sede da entidade. E em 2003, foi criado pela iniciativa da UEA com os estudantes o DCE-UNIP.

            Em março de 2004, também foi convocada a eleição da nova Diretoria Executiva da entidade, tendo sido no mês de maio, de acordo com o Estatuto, empossada automaticamente por aclamação a chapa “Renovação Estudantil”, cuja gestão mantém como presidente, o acadêmico Mário Lúcio, atualmente acadêmico de Pedagogia na UFAM, e como vice-presidente, Marcel Castro Cruz, acadêmico do curso de Comércio Exterior do CIESA, entre outros dirigentes, que terão mandato de 3 (três) anos até maio de 2007.

            Entre os projetos dessa nova gestão em 2005, inicia-se o Programa Amazonas Cidadão, desenvolvido em parceria com a UESA, voltado para a educação e profissionalização, bem como também destaca-se o projeto de construção da nova Sede Própria na Rua Barroso, Centro de Manaus-AM, também dá início a discussões pela Reforma Universitária.

            Em 2006, dá continuidade ao seu Programa Amazonas Cidadão, também intensifica a campanha de criação de Centros Acadêmicos nas instituições particulares de educação superior. 

            Já em 2007, completa 65 anos de existência, realizando exposição comemorativa em sua Sede Estadual, instala novas representações nos Municípios amazonenses.  Também completa 10 (dez) anos de parceria com o Centro Acadêmico de Direito - CAD/UFAM, na doação da totalidade da renda das carteiras estudantis solicitadas na faculdade para a compra de livros para a biblioteca setorial daquela unidade de ensino.  Além disso também realiza seu XXVII Congresso Estadual dos Estudantes Universitários, no Taj Mahal Hotel Manaus, atualizando seu Estatuto, e reelegendo para o período 2007-2010, o seu atual presidente Mário Lúcio da Silva, acadêmico de pedagogia da UFAM, com sua nova gestão "Força Universitária", e tendo como vice-presidente o acadêmico Cliferthon Lucas, do curso de Jornalismo da UNINORTE.

               Em 2008, a União dos Estudantes do Amazonas (UEA) junto com a UESA, atuam em defesa da meia passagem, ingressando com Representação junto ao Ministério Público do Estado para garantir o desbloqueio dos cartões estudantis da meia passagem e impetrando na justiça um Mandado de Segurança cuja liminar garantiu o direito de mais de 500 mil estudantes, a compra de até 120 meias-passagens por mês.

               Em 2009, a UEA convoca a primeira de uma série de manifestações contra a redução da meia-passagem, ocorrida no dia 4 de maio na Bola do Coroado, contando com a presença massiva de estudantes da UFAM e de escolas públicas, que deram o passo inicial para diversos protestos que paralizaram as ruas de Manaus.  Em decorrência disto a Prefeitura de Manaus, resolveu modificar a lei aprovada pela Câmara Municipal, reinserindo alguns direitos que estavam ameaçados como o fim da meia-passagem nos finais de semana e a limitação de apenas uma meia-passagem de ida e outra de volta por dia.

                Em 2010, houveram novas mudanças na Diretoria Executiva da UEA, cuja gestão eleita foi renovada e passou a contar com seu quadro administrativo mantendo na presidência o estudante Mário Lúcio da Silva (Pedagogia/UFAM e Direito/FAMETRO) e tendo como vice-presidente a acadêmica Paloma da Silva Cavalcante (Administração/Faculdade Salesiana Dom Bosco - FSDB), para uma gestão de 2010 a 2013, em conformidade com deliberação do Congresso da entidade e de acordo com o Estatuto da UEA.

                A UEA manteve o projeto de organização estudantil nas instituições de ensino superior, instalando o Diretório Central dos Estudantes - DCE da Faculdade Metropolitana de Manaus, fundado em 2010, o DCE-FAMETRO, além de criar várias Comissões Pró-Centros Acadêmicos nas faculdades particulares do Amazonas, realizando ainda a escolha de sua gestão 2013-2016.

                Já nos anos seguintes a UEA prosseguiu no trabalho de organização estudantil nas instituições de ensino superior do Amazonas, tendo promovido a reorganização dos discentes em suas organizações representativas.  Também lutou contra cortes de vagas no FIES (Fundo de Financiamento Estudantil).

                Finalmente em 2016, lutou contra a corrupção participando de coleta de assinaturas pela 10 Medidas Contra a Corrupção propostas pelo Ministério Público, também luto pela democracia e pela garantia de mudanças conjunturais e por uma Reforma Política.  Finalmente, assumiu uma nova diretoria, mantendo o presidente Mário Lúcio (pedagogia/Fametro) e com renovação quase total nos demais componentes.

                Em 2017 a UEA (União dos Estudantes do Amazonas) completou no dia 4 de janeiro, seus 75 anos de existência, recuperando novas lutas, inclusive pela defesa do ensino público e gratuito nas Universidades mantidas pelo poder público e pela garantia de mais investimentos na educação superior.

            

    

 
 

Novo portal da UESA & UEA

PROJETO

MEMÓRIA

Se você conhece alguém ou possui qualquer documento, objeto, fotos ou imagens que possam fazer parte de nosso acervo entre em contato conosco pelos fones: (92)

3082-0881 e 9190-1714 para que possamos aumentar o registro de fatos, fotos e relatos da história desta importante entidade para o movimento estudantil.

LINK's

 

 

 

  Pesquise no Google!!!!

 

0px" align=center>  Pesquise no Google!!!!